...da forma mais inesperada...

Quarta-feira, 30 de Julho de 2008

Regra do facto mais absurdo e repetitivo da minha vida:

 

"Vai se ao cabeleireiro á tarde e encontra se o ex-namorado á noite."

 

 

 

Regra da roupa:

 

"Veste se uma mini-saia exactamente no dia em que está sempre mais frio"

 

 

 

Teorema dos sapatos:

 

"Os sapatos novos por muito bonitos que sejam, fazem bolhas nos pés"

 

 

 

Regra do álcool:

 

"A quantidade de cervejas bebida é directamente proporcional á quantidade de asneiras que apetece fazer."

 

 

 

Lei dos homens (adaptada):

 

"Á noite todos os gajos são parvos"

 

 

 

Primeira lei do infortúnio:

 

" Se estás sozinha, não tens companhia; se estás acompanhada encontras sempre alguém que está interessado."

 

 

 

Segunda lei do Infortúnio:

 

" Se te portas bem, o teu namorado põe te os cornos; se te portas mal, és uma vadia."

 

 

Terceira lei do infortúnio:

 

" A probabilidade de se encontrar alguém que não se deseja encontrar é directamente proporcional ao prazer proporcionado pela companhia  de com quem se está."

 

 

 

Lei das horas:

 

" Todas as horas são boas para chegar a casa, desde que não me perguntem no dia a seguir a que horas chegei."

 

 

 

 Teoria dos riscos no automovel:

 

" A probabilidade de se fazer um risco na pintura do carro do ex aumenta exponencialmente com a quantidade de álcool que se tenha em cima."

 

 

 

Lógica feminina:

 

"Uma mulher tem sempre mais vontade de ir á casa de banho quando não existe nenhuma por perto."

 

 

 

Regra dos saltos dos sapatos:

 

"Quanto mais altos forem os saltos dos sapatos, mais depressa se descalçam."

 

 

 

Segunda lei dos homens:

 

"Não há homens feios, apenas não se bebeu ainda o suficiente."

 

 

 

Terceira lei dos homens:

 

" A prontidão com que um homem se despacha é inversamente proporcional á crise feminina de falta de vestuário."

 

 

 

 

 

sinto-me:
publicado por Carlita às 21:28

Finalmente consigo escrever qualquer coisinha...Ufff! Que estava díficil! Imaginem vocês que desde há uma semana para cá, não conseguia aceder ao meu blog? Isto foi cá um drama...Já calculam as histórias que perderam, não é? ehehehehe

 

Hoje estou danada! Com a mosca, mesmo... Há dias em que nem nos deviamos levantar da cama e hoje acho que é um deles. Podia se dar o caso de estar com o SPM e andar um quanto ou nada psicótica,o que até se justificava e era perfeitamente desculpavel se me apetecesse dar um par de selos na cara de alguém. Mas não. Não há justificação biologica para este mau humor que me corroi a alma. Há apenas os factores socioambientais que desde há uns tempos têm vindo a moer me os fígados.

 

Para começar... pareçe me que a porcaria das profecias das cartas do Tarot  (maldita a hora em que eu fui cusca, pahhh!) já começam a querer dar sinais de vida na minha vida e ainda nem sequer chegamos ao mês de Agosto . Mas estamos a dar nos mal com o clima, ou quê? Parece me que sim.  Ponham se para aí mas é todos finos e a baterem me continência que ninguém me põe a trelinha no pescoço tão depressa. Livra!

 

Depois...ando mesmo com pouca ou nenhuma paciência para certas coisas que antigamente não me incomodavam minimamente mas que agora já não consigo disfarçar sequer o asco que tenho por elas. Não dá! Não me peçam milagres! Não me peçam para me tornar naquilo que não sou. É violentar completamente o meu EU. Não... Chega! Basta! Quem gostar de mim, aceita me como sou, respeita o meu modo de pensar e agir e não tem que criticar. Pode não concordar ou aceitar(graças a Deus que estamos num país quase livre de censura e quase com liberdade total de expressão) mas não eu também não peço isso. Apenas peço que me dêem o meu espaço e o meu tempo. Apenas peço que respeitem a minha forma de ver o mundo, que pelo me tenho apercebido é muito diferente da de muita gente. E então? Tenho que ser igual aos outros porquê? Para quê?

 

Tenho me questionado muito sobre muita coisa. Ter chegado aos 30 foi para o que me deu. Diria talvez que estou a passar por uma crise de identidade. Estou a descobrir muitas facetas em mim, que já sabia que as tinha, mas que agora se estão a demarcar cada vez mais. Estou talvez em crise de identidade não em relação a mim, porque cada vez mais tenho aprendido a conhecer me melhor e a prever as minhas reacções, mas em relação aos outros. As pessoas desiludem me. Onde pensava que existia amor, só existia mera atracção; onde pensava que existia amizade, só existiam interesses; onde pensava que existia entreajuda, só existiam críticas. Há tempos estive com uma amiga de  longa data que já não via ha imensos anos. Depois de termos posto a conversa banal em dia, ela perguntou me quando estava eu a pensar casar.

-"Não sei se será tão para breve..."- respondi eu, apática, tentando não entrar em mais detalhes

-"Ah, mas vais ver que mais cedo ou mais tarde vais encontrar um princepe encantado e..."

 

Aquilo revoltou me o estômago. Logo!Senti um ímpeto nervoso dentro de mim que tive que a interromper:

-"Princepes encantados...bahhhh...não me gozes..." - resmungei, enquanto fazia um riso irónico e sarcástico

Ela olhou para mim, muito espantada e durante uns segundos esteve calada, de certeza a avaliar aquela minha reacção e depois teve a tirada:

-" Mas como, se tu eras de nós todas a mais romântica?"

 

E isso deixou me a pensar.Fiquei a matutar naquilo que ela me disse uns dias e a perguntar me a mim mesma quando é que eu me tinha tornado esta mulher fria e descrente nas pessoas? Desde quando é que eu tinha deixado de acreditar em sentimentos verdadeiros? Quando é que eu tinha matado o príncepe encantado que vivia nos meus sonhos? Não sei.  Suponho que quanto mais velhos somos, mais os golpes nos atingem profundamente e mais tempo levamos a sarar as feridas. Não era suposto ser assim...com a idade deveriamos adquirir competências emocionais suficientes para nos podermos defender e sairmos ilesos. Mas não. Cada vez mais acredito que as pessoas se refugiem numa carapaça protectora para não se tornarem vulneraveis aos ataques exteriores. Eu pelo menos tenho consciencia que passo a maior parte do meu tempo a construir uma muralha entre mim e os outros, porque não quero dar azo a aproximações, para não ter depois possiveis e provaveis desilusões. Talvez seja do meu ascendente Caranguejo:molinha por dentro e casca dura por fora.

 

Bem, mas não quero falar mais no meu estado de espírito que hoje está tudo menos católico. Aiii quando me apanhar de férias....não há-de haver mau humor que entre neste corpinho...

 

 

 

sinto-me: magoada
publicado por Carlita às 14:34

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29


Últ. comentários
Neste momento,tens um ombro amigo, um apoio, algue...
As pessoas mudam tanto quando se ferem o suficient...
Ah boa!!! Mas podiam por um nome mais sugestivo......
Canela não é a especiaria como já percebeste. Conh...
Sabes miga, cada vez acredito mais que nada aconte...
custa tanto... bem sei amiga...por isso é que, qd ...
adorei xD e fez.m bastante jeito
Também sou touro com ascendente caranguejo. 18 de ...
Eu também, parece que me estou a ver ao espelho :P
Miga, até a mim me doem as tuas palavras.... é tão...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro